PESQUISAR ESTE BLOGUE

29.8.14

SÁBADO, NA BIENAL: O TRIBUTO DE UMA FILHA CUJO PAI FOI SUBMETIDO A TRIBUNAL REVOLUCIONÁRIO.

Quando Adriana Tanese Nogueira começou a escrever um livro sobre a corajosa ajuda que seu pai prestou à Vanguarda Popular Revolucionária no pior momento da ditadura militar, o preço que ele pagou por sua disposição sincera de contribuir para a resistência e como sua desdita afetou os entes queridos, era natural que me contatasse, pois os sites ultradireitistas me citavam como um dos três membros do tribunal revolucionário que julgou Antônio Silva Nogueira Filho, juntamente com Ladislas Dowbor e Carlos Alberto Soares de Freitas.

Era falso. Eu não chegara sequer a ser informado do episódio, que certamente foi encaminhado em nível de Comando Nacional, já que nunca veio à baila nas reuniões do Comando Estadual de São Paulo, do qual eu fazia parte.

Foi só em 2004 ou 2005 que, dando uma olhada no que aparecia quando teclava meu nome na busca do Google, fiquei sabendo que me imputavam tal papel.  E não estranhei, porque os Ternumas da vida também me davam como autor de um comunicado da VPR que jamais redigi --para minha irritação, pois não só era mentiroso, como pessimamente escrito, com erros que nem no ginásio eu cometia. 

Expliquei à Adriana que a rede virtual fascista era abastecida com informações dos órgãos de repressão --os tais arquivos secretos que o governo nunca foi capaz de localizar. Evidentemente, os torturadores conservaram consigo boa parte dos registros emporcalhados de sangue de interrogatórios dos DOI-Codi's, Dops, etc., utilizando-os depois para produzirem a interpretação inquisitorial da História

E, como era mais cômodo para os torturados confirmarem as suposições dos torturadores quando se tratava de assunto de menor importância, alguém deve ter relacionado meu nome ao tal julgamento, ou por não saber quem realmente dele participou, ou porque não quisesse identificar os reais participantes.

Abri portas e indiquei caminhos para que a Adriana pudesse levar a bom termo sua empreitada, superando a dificuldade natural de tentar apurar, desde os EUA, algo que aconteceu aqui. E acompanhei, durante certo tempo, seu labor de ir escrevendo e tornando pública sua obra, capítulo por capítulo, num blogue que criou.especialmente para tal finalidade.

Depois, o Caso Battisti me absorveu tanto que perdi o hábito de visitar o blogue dela. Daí a minha agradável surpresa com o livro resultante, de 740 páginas, dividido em dois volumes: Acorda, amor (Editora Biblioteca 24 horas, 2014), que será lançado na Bienal Internacional do Livro amanhã (sábado, 30), entre 12 e 14 horas, no estande F698.

Como passei a vida inteira tentando melhorar minha carpintaria de textos, é sempre gratificante para mim ler obras com narrativa fluente e empolgante como a da Adriana, cuja formação psicanalítica ajuda muito a desenvolver o lado humano dos personagens. Infelizmente, muitos livros sobre os anos de chumbo são áridos e de difícil compreensão para os leigos, afugentando leitores.

Conheço bem demais as agruras e sofrimento das famílias dos que lutamos contra a ditadura, então este lado de Acorda, amor não me surpreendeu. Mas, a dramaticidade e o horror de certas situações deverá calar fundo em quem veio depois de nós e não está familiarizado com tais vias crucis.
Eremias: retalhado com 35 tiros.

Para mim, são lembranças dolorosas. Não gosto nem de pensar que meus saudosos pais foram despertados de madrugada por uma avalanche de bárbaros que, depois de virarem a casa do avesso, ainda tiveram a petulância de pedir que me aconselhassem a rendição, pois só com a ajuda deles eu escaparia com vida. Meu pai, homem que nunca gostou de correr riscos desnecessários, daquela vez não se conteve: "E é para ajudar meu filho que vocês estão aqui com toda essa artilharia pesada?". Quase o levaram preso.

Assim como foi intimidado o pai do meu amigo e companheiro Eremias Delizoicov, retalhado com 35 balaços pelos gorilas da PE da Vila Militar, aos 18 anos de idade (vide aqui). Como a imprensa noticiara inicialmente a morte de outro militante --a repressão só conseguiu identificá-lo pelas digitais, a tal ponto o havia desfigurado!--, o pobre homem ansiava desesperadamente por ver o corpo e tirar dúvidas. 

Até isto lhe foi negado; ameaçaram-no de prisão, se insistisse, Como consequência, o velho casal continuou alimentando por muito tempo a esperança de que o falecido fosse mesmo José Araujo Nobrega, e não seu amado filho. Duas vezes passei horas ouvindo pacientemente suas hipóteses fantasiosas, sem saber se seria melhor desmenti-las ou deixá-los sonhando que o Eremias estaria são e salvo no exterior. 

UM EPISÓDIO CONSTRANGEDOR, MAS QUE DEVE
SER CONHECIDO, POIS DEIXOU LIÇÕES VALIOSAS.

Então, o que mais me interessou no livro foi mesmo a parte referente ao tribunal revolucionário. Para não estragar o prazer dos possíveis leitores, evitarei antecipar o desfecho (podem continuar lendo sem receios...).
A lição de Rosa: "A verdade é revolucionária".

Apenas informarei que Adriana, como eu, não vilifica quem cometeu erros em circunstâncias tão extremas. Como eu, ela ressalta a justeza da luta e tenta compreender quem foi zeloso demais ou traído pelos nervos.

Esforçávamo-nos  para manter a chama acesa apesar da extrema desigualdade de forças. Não havia semana em que não ficássemos sabendo da morte ou prisão (leia-se torturas bestiais) de companheiros próximos ou, mesmo distantes, igualmente estimados. As confissões arrancadas a ferro e fogo, bem como a faina incansável de espiões, faziam nossos melhores projetos ruírem como castelos de cartas. Por mais que tentássemos nos iludir, lá no fundo percebíamos que nos encaminhávamos para a derrota e, provavelmente, para a morte.

Neste contexto, aliado que manifestasse o desejo de sair da Organização era logo visto como um traidor em potencial. Se já não acreditava na causa, como conseguiria resistir às torturas? Se estaria descontatado, quanto tempo levaria para sua eventual prisão chegar ao conhecimento da O.? Quantos prejuízos ele poderia causar nesse intervalo, antes de as medidas defensivas começarem a ser tomadas?

Recuso-me a acreditar que qualquer um dos meus companheiros --aqueles seres humanos capazes de assumir riscos tão extremos em nome de ideais generosos e solidários!-- raciocinasse, cinicamente, que "o Nogueira nada fez de errado, mas só ficaremos tranquilos quando ele se tornar um arquivo morto".

Contudo, em meio à compreensível paranoia que grassava entre nós (espiões existiam sim, começando pelo cabo Anselmo), alguém deixou a imaginação correr solta e acabou tomando vagas suspeitas como provas irrefutáveis de que o Nogueira  estaria trocando de lado. E um tribunal revolucionário acabou sendo constituído.

Por último: o episódio encerra muitas lições valiosas para todos os que travam o bom combate, no sentido de que tais erros jamais sejam cometidos novamente. Então, mesmo sendo constrangedor para nós, deve ser encarado e discutido, sem medo do uso demagógico que os detratores da luta armada possam dele fazer.

Temos de ser melhores do que essa gente, guiando-nos pela afirmação lapidar de Rosa Luxemburgo: "A verdade é revolucionária". O outro lado tudo faz para esconder seus esqueletos nos armários --e eles eram tantos, e foi tão terrível o martírio infligido a nossos companheiros! Cabe-nos mostrar que também nisto somos infinitamente superiores a eles, em termos morais.

Não há equivalência ou igualação possível entre a regra e a exceção. Nem motivo para escondermos debaixo do tapete o que ocorreu, mas gostaríamos que não tivesse ocorrido. Nenhuma luta de resistência à tirania é isenta de enganos e excessos, mas estes devem ser avaliados com pesos diferentes: os idealistas têm direito à compreensão, enquanto os déspotas e seus esbirros só merecem o opróbrio.

"...nós, que queríamos preparar o terreno para a amizade, não pudemos ser, nós mesmos, bons amigos. Mas vocês, quando chegar o tempo em que o homem seja amigo do homem, pensem em nós com um pouco de compreensão." (Brecht)

DEPOIMENTO DA AUTORA
"VOU ABRIR A MINHA VOZ E CONTAR MINHA VERDADE. 
NÃO QUERO MANTER ESCONDIDA UMA PARTE DE MIM" 

"Um dia saiu um artigo sobre mim num jornal local [ela mora e trabalha nos EUA]. No final de minha apresentação, após citar as minhas diversas atividades, o jornalista deu algumas referências biográficas. Quando li o artigo meu coração descompassou. Foi citada uma frase que eu mesma escrevi: 'Filha de mãe italiana imigrante e de pai brasileiro revolucionário', acrescentada pela informação que meu pai pertencia ao grupo de Carlos Lamarca.
Adriana: nada do que se envergonhar.

Gelei. Sim, eu tinha dito isso, mas uma coisa é você comentar uma coisa dessas com alguém, outra é você ler suas palavras numa folha de jornal. Senti-me exposta. Fiquei com medo. Mas dissimulei comigo mesma. Estava acostumada a deixar passar, disfarçar, conviver com a história colocando-a de lado.

Ao longo daquele dia, pensamentos soltos atravessaram minha mente. Aquela era uma referência histórica, algo conhecido que explicitamente revelava a atividade política de meu pai no passado. No passado.

Mas será que era passado? Não na minha alma. O medo, que por tanto tempo dominou nossas vidas e que estava aparentemente esquecido e sonolento num canto, acordou. Apesar de ter tentado 'não pensar' o dia todo e 'racionalizar', passei a noite assustadíssima. Não consegui dormir e tive um pesadelo.

Eu vou contar essa história porque não quero viver sob o constrangimento da vergonha. Uma história que me provoca pesadelos quarenta anos depois é uma história que precisa ser contada. Quero regurgitar o que vivemos, devolver ao mundo o que ao mundo pertence. Não vou deixar essa experiência trancada dentro do peito, no cárcere da dúvida e do ridículo. Não vou ser cúmplice do sistema que demonizou os que contra ele resistiram, apesar do absurdo desequilíbrio de forças.

Vou contar essa história para levantar uma bandeira contra a avalanche massificadora da crença que sustenta que bom é quem sabe 'se dar bem'. Bom é o individualista, o puxassaquista, o que encontrou um nicho em meio ao lixo cultural e moral no qual vivemos e venceu a vida por entorpecimento do cérebro e do coração. Não quero e não vou apoiar a crença que bom é o marqueteiro, o espertalhão, o flibusteiro. A isso se reduziu boa parte do ideal social do país. Não o meu. Nem hoje nem amanhã.

O Brasil está ainda tomado pela mentalidade promovida e fortalecida pela ditadura. Nela, os valores estão todos invertidos. Os que assumiram a resistência a um regime opressor são 'terroristas', os que massacraram corpos, amputaram braços e torturaram jovens e adultos, mulheres e homens são anistiados. E a impunidade reina soberana.

Vou abrir minha voz e cantar minha verdade. Não quero manter escondida uma parte de mim, minhas raízes, aquele meu começo que produziu tantas consequências importantes. Tantas coisas das quais tenho orgulho. Não vou respirar da núvem tóxica do esquecimento coletivo, tão infantil quanto míope. Não há nada do que se envergonhar, a não ser da crueldade cometida.

Para mim, que trabalho com humanização, não tem como deixar de trazer à luz as origens do meu interesse vital em humanizar o mundo. Não quero mais esconder quem sou, quem somos e por que somos o que somos. Porque é assim que tivemos que viver por todo esse tempo".

SERVIÇO
O QUE: lançamento do livro Acorda, amor (Desaventuras de uma família e de seu país)
QUANDO: sábado, 30 de agosto de 2014
HORÁRIO: das 12 às 14 horas
ONDE: estande F698 da Bienal Internacional do Livro de São Paulo 
QUEM: Adriana Tanese Nogueira, autora (estará presente Celso Lungaretti, veterano da luta armada)
LANÇAMENTO COMPLEMENTAR: livro infantil O flamingo e os pombos
MARCAÇÃO DE ENTREVISTAS / MAIS INFORMAÇÕES: aqui e aqui

26.8.14

CULPAR MARINA PELAS IRREGULARIDADES NO JATINHO DO PSB É "APELAÇÃO IMORAL"

Sempre detestei o aviltamento das campanhas eleitorais, que os obcecados em vencerem a qualquer preço transformam em batalha de tortas de lama ou festival de chutes na virilha dos adversários.

Já desmascarei a torpeza da rede de propaganda petista ao trombetear que a Marina Silva estaria sendo apoiada pelo Itaú, quando, na verdade, ela conta apenas com os préstimos voluntários de uma herdeira Setúbal que jamais exerceu atividade de banqueira nem apita nada nas decisões do grupo.

Tais invencionices colam no candidato e, depois de um certo tempo, todos começam a repeti-las como papagaios, sem a mínima noção de quem as colocou em circulação. Foi o caso da afirmação imputada ao brigadeiro Eduardo Gomes na eleição presidencial de 1945, de que ele recusava o voto dos marmiteiros (pejorativo de operários). A frase verdadeira de Gomes foi: "Não necessito dos votos dessa malta de desocupados que apoia o ditador para eleger-me presidente da República!".

Disse e repito que a política oficial me causa profundo tédio, tal o descompasso entre as mudanças mais do que necessárias e as miudezas de que se ocupam governantes resignados a não confrontarem o poder econômico. Mas, quando as campanhas descambam para o jogo sujo descarado e desbragado, isto me incomoda, talvez como consequência de já ter sido e continuar sendo até hoje muito prejudicado na vida por outro tipo de jogo sujo.

Então, registro mais um desmascaramento de falácia, desta vez por parte do veterano jornalista Jânio de Freitas, em sua coluna desta 3ª feira (26) na Folha de S. Paulo, cuja íntegra pode ser acessada aqui.

Tão apavorados ficaram petistas e tucanos com a entrada pra valer de Marina no páreo sucessório que se uniram para tentar imputar-lhe responsabilidade pessoal em irregularidades na posse e utilização do avião da tragédia. Houve quem falasse até em impugnação da candidatura dela, um grotesco wishful thinking.

Jânio --que geralmente mostra, digamos, mais simpatia pelas posições petistas-- é, sobretudo, um profissional honesto. Então, tal baixaria também o deixou indignado. E ele a pulverizou:
"...Ainda antes da queda, aquele avião já era portador de um risco desastroso para as pretensões políticas de Eduardo Campos. Com provável corresponsabilidade dele ou não, tanto faz.
Sejam quais forem os esclarecimentos vindouros, se causarem surpresas não estará entre elas o nome de Marina Silva. A composição que a comprometeu com a campanha foi muito posterior à inclusão do jato nas atividades de Eduardo Campos e do PSB. A cobrança que Aécio Neves faz de explicações de Marina Silva, sobre as suspeitas de irregularidades no uso do jato, é mais do que imprópria: é uma apelação imoral. E pior porque justificada por Aécio como contrapartida às cobranças sobre a construção do aeródromo em Cláudio -MG. Aí já é também falsificação de equivalências".
Eu só acrescentaria que a "apelação imoral" partiu da rede virtual petista e Aécio, percebendo que lhe poderia ser útil também, pegou o bonde andando.

Os opostos só se atraem quando um deles ou ambos estão sendo oportunistas e imorais. É o mesmo caso da utilização sistemática, por parte dos petistas, das catilinárias destrambelhadas contra Marina que não pára de lançar o colunista mais reacionário da revista mais reaça do Brasil.

24.8.14

EU IA PASSAR BATIDO PELA FESTA DO RAULZITO, MAS A FESTA ME CHAMOU.

Na última 5ª feira (21), o eletricista ligou cedinho perguntando se poderia vir fazer o serviço que solicitáramos. Vai daí que a Juliana, minha esposa, ficou com uma enorme e inesperada faxina para ocupar sua tarde, pois troca de fiação emporcalha tudo.

Levei minha filhinha à escola e, para não atrapalhar a azáfama da Ju, deixei o carro estacionado lá perto e fui de ônibus para o centro velho. Fiz a barba, procurei blusa na C&A da rua 24 de maio e, não encontrando a que queria, rumei para o Shopping Light, na praça Ramos de Azevedo.

Dei de cara com uma pequena multidão nas escadarias do Theatro Municipal, homenageando o Raul Seixas; era o dia do 25º aniversário de sua morte.

Foi bom ver aquele povo colorido e animado de novo, tomar o vinho coletivo diretamente do caldeirão do diabo e lembrar do bom Raulzito, com quem tanto papeei nas vezes em que bebemos juntos (tendo, infelizmente, quase tudo sido apagado pelo álcool e pelo tempo, exceto uma coisinha ou outra que registrei em textos escritos quando a memória desses porres longínquos não se esfumara tão completamente).


Como bem  disse o Gilberto Gil, "quem não dormiu no sleeping bag, nem sequer sonhou". Curti intensamente a era da contracultura, da generosa tentativa de vivermos em comunhão com os outros pirados e com a natureza, da abertura das portas da percepção, das comunidades que tão pouco duraram mas tanto nos marcaram, das estradas sem fim que percorríamos na sola e na carona. Talvez nem estivesse aqui sem o ânimo que este sonho menor me deu para seguir adiante, depois que o sonho maior foi destruído pela bestialidade fardada, deixando-me em cacos.

E foi curioso eu ter encontrado, por mero acaso, esses rebentos das novas gerações que creio ter inspirado um tantinho com os textos que eu produzi durante cerca de cinco anos de atuação como crítico de rock e editor de revistas de música. Desligado de efemérides, ainda assim a efeméride me achou.


Como quando o próprio Raul, tendo gostado do meu relato sobre a primeira coletiva dele na CBS e o almoço mucho loco num restaurante oriental da rua Teodoro Sampaio (vide aqui), convidou-me para uma boca-livre da gravadora, a primeira vez em que nos encontramos para conversar sobre tudo um pouco e beber de tudo um muito. Impressões que ficaram e reflexões que esses papos etílicos me suscitaram estão reunidas noutro texto antigo, um dos que, até hoje, mais gostei de ter escrito: este aqui.

Éramos ambos náufragos do ano das duas grandes primaveras, a de Paris e a de Praga; isto nos aproximou. Ele manteria vivos os ideais de 1968 por mais duas décadas. Eu sobrevivi o suficiente para ver os fios da História atarem-se, com os herdeiros de 1968 levando sua indignação para as ruas em meados do ano passado, quando os ventos de mudança começaram a soprar de novo, sacudindo a pasmaceira do gigante adormecido.



Fiquei satisfeito em ver o Raulzito sendo lembrado com festa, não com lamúrias. E em pensar que fez muito sentido eu haver pousado de pára-quedas naquela festa, pois tinha tudo a ver com quem eu fui e, orgulho-me de dizer, continuo sendo.

Sob diversos nomes, uma sociedade alternativa é exatamente o que tenho tentado construir durante toda a minha vida adulta. E, não tenho dúvidas, morrerei tentando.

23.8.14

É A HORA DA VERDADE PARA A COMISSÃO DA VERDADE

O gen. Peri (à frente) quer ser o único interlocutor da CNV
Deu n' O Globo (clique aqui para acessar a íntegra):
"O comandante do Exército, general Enzo Peri, proibiu os quartéis de colaborar com as investigações sobre as violências praticadas em suas dependências durante o regime militar. Em ofício datado de 25 de fevereiro, o general determinou que qualquer solicitação sobre o assunto seja respondida exclusivamente por seu gabinete, impondo silêncio às unidades. Por entender que a medida é ilegal, o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro (MPF-RJ) vai pedir à Procuradoria Geral da República que ingresse com representação contra o comandante.
O ofício foi usado pelo subdiretor do Hospital Central do Exército (HCE), coronel Rogério Pedroti, para negar ao MPF-RJ o prontuário médico do engenheiro Raul Amaro Nin Ferreira, que morreu na unidade em 12 de agosto de 1971. O documento médico poderia comprovar a suspeita de que Raul, que foi preso pelo DOPS na noite de 31 de julho, na Rua Ipiranga (Flamengo), não teria resistido às sessões de tortura. No ofício, Enzo Peri informa que a decisão abrange os pedidos feitos pelo 'Poder Executivo (federal, estadual e municipal), Ministério Público, Defensoria Pública e missivistas que tenham relação ao período de 1964 e 1985'.
— O Ministério Público está adotando as medidas necessárias para remover esses obstáculos às investigações e responsabilizar os servidores que sonegam informações. De qualquer forma, é lamentável que o comando atual do Exército de um Estado Democrático de Direito esteja tão empenhado em ocultar provas e proteger autores de sequestros, torturas, homicídios e ocultações de cadáver — lamentou o procurador da República Sérgio Suiama".
A autoridade da Comissão está em xeque. A de Dilma, idem.
SE NADA FIZER,
 DILMA PERDERÁ 
A AUTORIDADE
 E O PRESTÍGIO

O jornalista Luiz Cláudio Cunha disse quase tudo que havia a se dizer sobre o assunto. Eis os trechos mais importantes do seu artigo (para acessar a íntegra, clique aqui), publicado no site Brasil 247:
"Não há mais clima de convivência possível entre o general Enzo Peri, chefe do Exército, e os seis comissários da CNV, diante da espantosa manchete de hoje do jornal O Globo: 'Anos de chumbo: comandante impõe silêncio ao Exército'.
O repórter Chico Otávio recebeu do procurador Sérgio Suiama, da Procuradoria da República do Rio de Janeiro, um inacreditável ofício enviado em 25 de fevereiro passado aos quartéis de todo o País pelo comandante do Exército, general Enzo Peri, proibindo qualquer colaboração para apurar crimes da ditadura que derrubou o presidente João Goulart. O general Peri chega ao requinte de mandar um modelo de ofício, em branco, instruindo cada quartel a rebater pedidos do Procurador-Geral da República para o seu gabinete em Brasília, no quarto andar do Bloco A do QG do Exército.
Será mais um ingrediente explosivo num pleito radicalizado?
O cala-boca nacional do general Peri abrange qualquer pedido ou requisição de documentos feitos pelo 'Poder Executivo (federal, estadual e municipal), Poder Legislativo (federal, estadual e municipal), Ministério Público, Defensoria Pública e missivistas que tenham relação ao período de 1964 a 1985'.  Só quem pode responder a tudo isso, esclarece o ofício, é o Gabinete do Comandante do Exército, ou seja, o próprio general Peri, erigido agora com uma autoridade que transborda todas as esferas de poder.
É útil lembrar que os desmandos e abusos cometidos entre 1964 e 1985 constituem o foco principal da investigação da CNV, que apresentará ao País em dezembro próximo o seu relatório final.
A solução do impasse agora revelado cabe exclusivamente à Suprema-Comandante das Forças Armadas (FFAA), a quem o general se subordina nos termos da Constituição, e à Presidente da República, que criou a CNV em 2011 e a instalou no ano seguinte justamente para apurar graves violações dos direitos humanos no País. Dilma acumula as duas funções e a dupla responsabilidade.
Cabe a ela, e a mais ninguém, repor a autoridade de seu comando e o prestígio de seu cargo. Se nada fizer, Dilma perderá ambos — a autoridade e o prestígio".
SUPERIOR JAMAIS DEVE CONTEMPORIZAR 
COM INSUBORDINAÇÃO DE SUBALTERNO

Ninguém precisa correr a renovar seu passaporte, pois ainda não estamos na iminência de uma crise militar que possa servir como estopim de um novo golpe. No entanto, salta aos olhos que existe, sim, quem esteja semeando ventos, na esperança de que eles virem tempestades.

O que o Luiz Cláudio Cunha qualificou de manchete é, na verdade, uma pequena chamada de capa da edição de 22/08/2014 de O Globo, no topo da coluna. Ou seja, o jornal cumpriu seu papel de noticiar, mas, flagrantemente, não quis dar grande destaque ao que ele próprio apurou.

Podemos concluir que não está, por enquanto, favorecendo rupturas institucionais, pois evitou dar tratamento provocativo a um episódio que se prestava para tanto. E, se precedentes valem alguma coisa, quando realmente houver uma quartelada pronta para sair do forno, o mais provável é que o O Globo esteja novamente colocando a toalha na mesa. Autocríticas insinceras não evitam a reincidência nos mesmos erros....

De resto, o fato de o comandante do Exército ter extrapolado em muito a própria autoridade e desrespeitado seus superiores hierárquicos (o ministro da Defesa e a presidenta da República), ao mandar um ofício rebelde e descabido a altos oficiais, não deve ser encarado como um mero acesso de mau humor.

Mas, a exemplo de 1964, o golpe só será desencadeado no momento em que os verdadeiramente poderosos resolverem trilhar tal caminho. E eles não decidem em função de bravatas como a do general Peri, mas sim dos custos x benefícios da empreitada. Neste momento, as perdas seriam muito maiores do que os ganhos.  O que não nos exime da obrigação de acompanharmos atentamente a evolução dos cenários, para precavermo-nos de surpresas desagradáveis.

Por último: há exatos 19 dias, eu dei  (vide aqui), de graça, um bom conselho à presidenta Dilma, quando as Forças Armadas produziram um relatório de 455 páginas para negar as torturas, assassinatos, estupros e outras atrocidades que perpetraram nos anos de chumbo. Foi mais ou menos o mesmo da canção célebre do Chico Buarque, aquela que diz ser "inútil dormir, que a dor não passa):
"A pergunta que não quer calar é: como reagirá a comandante suprema das Forças Armadas, nossa presidenta Dilma Rousseff (que, vale lembrar, foi também uma resistente torturada e teve companheiros de organização assassinados nos porões)?
A hora de pagar pra ver é esta, enquanto não passa de blefe.
Que resposta dará ao relatório-escárnio, ao indisfarçado deboche e pouco caso dos fardados com relação à CNV que ela tanto quis criar?
Eles estão blefando. Ela tem as cartas vencedoras. Na hora de decidir se vai ou não utilizá-las, deveria inspirar-se (por incrível que pareça...) no ditador Ernesto Geisel.
Até por ser militar, ele sabia que o superior jamais deve contemporizar com insubordinação de subalterno. Destituiu o comandante do 2º Exército, destituiu o ministro do Exército e ninguém mais contestou sua autoridade"
Gostaria que ela reagisse como eu então aconselhei e o Luiz Cláudio Cunha está aconselhando agora. Temo, contudo, que o novo sapo também acabe sendo engolido. O que, claro, só fará aumentar o atrevimento dos insubmissos. Aí, outras e piores provocações virão.

Insuficientes para, sozinhas, devolverem o País às trevas, mas sempre perigosas, principalmente se houver uma sinergia com outros fatores de desestabilização.

POSTS RECENTES DO BLOGUE NÁUFRAGO DA UTOPIA (clique p/ abrir):

22.8.14

SUCESSÃO: RUI MARTINS DECLARA APOIO, EU MANIFESTO PREFERÊNCIA.

O bravo companheiro Rui Martins, a quem muito prezo e respeito, formalizou o seu apoio a Marina Silva com este comunicado que publicou no Direto da Redação.

Eis os trechos que considero mais significativos.
"...O Brasil mudou com Lula e isso é visível e todos nós sentimos. Porém ninguém pode assumir sozinho a solução de tantos problemas, que se foram avolumando em tantos séculos de governos dirigidos por elites. Ainda restam áreas não solucionadas, surgiram também divergências, foram feitos compromissos, que atrasam ou comprometem os sonhos das novas gerações de um Brasil mais justo e menos desigual.
Muitos esperavam o retorno de Lula, para restituir a confiança e acertar as arestas do que foi mal concluído ou ficou por fazer. A opção de Lula de não retornar irá perpetuar, na memória de todos nós a do pioneiro e desbravador, mas sua ausência não pode ser substituída por delegação.
Sem Lula, todos nós de esquerda que o apoiamos mesmo tantas vezes criticando, temos a liberdade de optar de nos lançarmos na busca de um outra opção, que favoreça ainda outros excluídos, reformule e renove a maneira de se fazer política e permita se abrir um novo caminho, sem manter compromissos com as figuras corruptas que conseguiram sobreviver e mesmo pactuar com estes doze anos de lulismo.
Chegou a hora de mudar porque o tempo pode desviar os melhores projetos. Existe um clima geral de insatisfação e de falta de rumo, que só poderá ser preenchido com novas metas, novos desafios, novas pessoas, mesmo que sejam sonhos ou utopias. Estávamos quase habituados a calar no peito nossas decepções, pois afinal somos humanos e imperfeitos, mas ninguém pode nos impedir de reacender a chama de novas esperanças e de novas metas, na verdade as velhas esperanças e velhas metas das reformas de base, que nos foram roubadas pelo golpe de 64.
A maioria dessas reformas não foi feita e o Brasil cresceu dentro do modelo neoliberal do incentivo ao consumo, que retirou da miséria 30 milhões, essa é porém uma solução de efeitos temporários que não pode ser aplicada indefinidamente.
O crescimento intensivo tem provocado a monocultura da soja, a pecuária extensiva e o desmatamento de nossas florestas, sem ter sido feita a esperada reforma agrária, se aceitando a pressão da Montsanto que nos impôs os cereais OGM, mesmo quando nossos parceiros comerciais europeus nos preferiam sem OGM. Sem se falar nas pressões do agronegócio sobre as terras indígenas, invasões, tentativas de remarcações das reservas, em nome de uma agricultura desenfreada, que não garante a necessidades das populações locais, mas voltada apenas para a exportação.
...Precisamos repensar a política, precisamos repensar a economia, saber o que realmente é essencial, para que as populações com o crescimento da robotização não sejam condenadas ao desemprego, e tenham, isso sim, uma vida mais plena.
Por isso, decidi votar e lutar por Marina Silva. Porque ela nos traz novos desafios e nos obrigará a novas soluções políticas e mesmo econômicas. E todo esforço é sempre sadio.
Esta não é uma declaração de ruptura aos petistas, muito menos aos lulistas, mesmo porque talvez sejamos chamados a nos reunirmos num segundo turno.
...enfim, apelo aos companheiros que lutaram comigo pela não extradição do italiano Cesare Battisti, a participarem desta nova luta. Tenho certeza de que vivemos um momento histórico".
ENTRE A INCÓGNITA, A PASMACEIRA E O RETROCESSO

Esta seria uma boa oportunidade para eu adotar posicionamento semelhante. No entanto, gato escaldado com relação à política oficial, tenho simpatia por uns e outras, mas não boto mais a mão no fogo por ninguém. Daí preferir reafirmar minha posição inicial: Marina Silva é uma incógnita; Dilma Rousseff, a continuidade da pasmaceira atual; e Aécio Neves, o retrocesso.

Aquilo com que sonho não é nenhuma candidatura presidencial de 2014, mas sim a emergência e afirmação de uma nova geração revolucionária, capaz de conquistar nas ruas o que jamais obteremos na Praça dos Três (podres) Poderes.

Tal geração parece estar engatinhando. Depois da terrível prostração que se abateu sobre o Brasil quando o PT submeteu-se às imposições dos verdadeiramente poderosos, aceitando exercer a Presidência da República pela metade (ou seja, com a obrigação de manter a política econômica neoliberal herdada de FHC), só em junho de 2013 a voz das ruas, finalmente, se fez ouvir de novo. E ela trovejou, provocando calafrios nos que querem ver o povo distanciado das grandes decisões nacionais e impotente para mudar seu destino.

No entanto, vários episódios demonstraram que o amadurecimento dos novos revolucionários levará algum tempo. Muita luta há de ser travada até que o deslumbramento inicial ceda lugar à postura consciente de quem tudo sacrifica em nome de um bem maior e coletivo. Estamos na fase da acumulação de forças, não das batalhas decisivas.

Então, vejo um governo de Marina Silva como a melhor ponte disponível, entre o melancólico presente de despolitização e desencanto das grandes massas e o futuro desejado, de uma onda revolucionária que varra do Brasil a exploração do homem pelo homem -ainda e sempre a fonte da maioria das injustiças e desgraças, além de maior obstáculo existente ao progresso da humanidade- e comece a reverter a destruição das próprias bases da sobrevivência humana, insensivelmente levada a cabo pelo capitalismo, dia após dia, mesmo depois de ficar mais do que comprovado que está em curso a contagem regressiva para o fim da nossa espécie.

Fui o primeiro a destacar que a atual insatisfação generalizada torna muito perigoso para nossas frágeis instituições o pleito de 2014. Nem o petismo (visivelmente paralisado por suas contradições e incapaz de avançar), nem o tucanato (que só nos promete o acatamento da exigência que o grande capital faz de uma recessão purgativa, além de sua tradicional insensibilidade no trato das questões sociais) têm esperanças para oferecer ao povo nos anos difíceis que atravessaremos a partir de 2015.

Marina, sim, tem, pois chegará com aura heroica, uma nova pauta, desafios diferentes e muita disposição. Até onde pretende ir, se honrará suas bandeiras, se vai fazer História ou protagonizar mais decepções, isto pertence ao futuro, e quase todos os prognósticos que lemos não passam de especulações tendenciosas, para favorecerem ou desqualificarem sua candidatura.

A volta da esperança é do que precisamos para, pelo menos, ficarmos a salvo de retrocessos institucionais enquanto não estão dadas as condições para irmos ao xis das questões -o que, reafirmo, não depende da vontade de presidentes da República, mas sim da luta de cidadãos conscientes e mobilizados.

É neste sentido, sem fantasias nem ilusões, que prefiro Marina.

E continuarei defendendo com muita firmeza os valores da minha geração revolucionária, principalmente a noção de que devemos competir respeitosamente com os adversários do campo da esquerda e estarmos sempre juntos no combate implacável aos inimigos de classe.

POSTS RECENTES DO BLOGUE NÁUFRAGO DA UTOPIA (clique p/ abrir):

18.8.14

UM ESTRANHO CASAL: REINALDO AZEVEDO E BLOGUEIROS PETISTAS.

Reinaldo Azevedo não toma jeito. Vira e mexe ele escreve no seu blogue que irá à polícia registrar queixas contra os internautas que lhe enviam mensagens desaforadas. Como prezo muito a liberdade na web, duas vezes já ridicularizei tais demonstrações de paúra extremada diante do que, quase sempre, não passa de trote de adolescentes bobinhos (perdi a conta das ameaças que recebi, por e-mail ou telefone, sem jamais ter-lhes dado a menor importância). Foram estes os artigos em questão (clique p/ abrir), que o RA, claro, não ousou responder:
Ele também se orgulha de, em 2013, haver sido o primeiro nostálgico do arbítrio a defender o enquadramento dos jovens manifestantes de rua na famigerada Lei de Segurança Nacional, entulho ditatorial que esqueceram de jogar na lixeira da História. Quando um delegado mentalmente ancorado naquele passado funesto tentou seguir-lhe o conselho, o próprio Geraldo Alckmin brecou a iniciativa, por considerá-la excessiva e inadequada para uma democracia. Ou seja, o RA conseguiu a proeza de ficar à direita do governador Opus Dei...

Agora, ele sugere que a Marina Silva seja investigada, por suspeita de delito não especificado. Para não pegar mal demais, propõe que repórteres o façam. Mas, no fundo, no fundo, quer mesmo é atiçar as 'otoridade' contra ela. Leiam:
"Eu não sei, por exemplo, e ninguém sabe, do que ela vive e quem sustenta o aparato — que não é pequeno! — que a acompanha. Há tanto tempo sem legenda, flanando por aí, a questão é pertinente. Fosse outro, o jornalismo investigativo já teria se ocupado de apurar. Como é Marina, não se toca no assunto. Imaginem se algum outro candidato à Presidência da República tivesse um banqueiro — ou uma banqueira… — pra chamar de seu. Ela tem. O que nos outros seria pecado é, em Marina, tratado como virtude".
Ora, se o Fisco, a polícia e a Justiça Eleitoral jamais viram motivo para aporrinharem-na, deverão fazê-lo agora porque um denunciante contumaz está subindo nas paredes ante a possibilidade de que a candidatura da Marina acabe com as chances eleitorais do Aécio Neves?

Pois é disto que se trata, já que o RA faz campanha desbragada para Aécio sair vitorioso (se eu raciocinasse à maneira dele, proporia uma investigação jornalística sobre eventual jabaculê tucano em seu favor, mas acredito que a motivação do RA seja outra, a de sempre: reacionarismo puro e simples).

Quanto à tempestade em copo d'água que ele faz, a pretexto de que a filha do Olavo Setubal passa o chapéu entre os ricaços e ajuda Marina em seus projetos políticos, o RA não deve ignorar que, no século passado, o PCB contava com um sem-número de grandes burgueses o financiando, servindo-lhe de testas-de-ferro e até abrigando comunistas perseguidos. 

E daí que Marina, personagem de porte heroico, tenha uma fã em família de banqueiros? Não seria a primeira nem será a última vez que abastados admirarão os que travam o bom combate.

Aliás, a futrica do RA vem ao encontro de futricas na mesmíssima linha, partidas de blogueiros petistas. Estes, com toda a má fé do mundo, martelam que Marina é apoiada pelo Itaú, não pela psicóloga Maria Alice Setubal. Assim como o RA, invariavelmente eles omitem que a dita cuja, não estando entre as quase duas centenas de nomes que compõem as diretorias da Itaú Unibanco Holding e da Itaú BBA, provavelmente nada tem a ver com as decisões e simpatias políticas dos dirigentes do grupo. 

Este não é um exemplo a ser seguido
O RA fica nos devendo alguma prova de que ela seja banqueira; e os blogueiros petistas, a de que ela esteja trazendo para Marina o endosso do Itaú e não apenas o pessoal.

Trata-se, na verdade, de apenas de uma herdeira com ocupações características de herdeiras: dirige uma fundação humanitária, a Tide Setubal, criada em 2005 "para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro de promoção humana iniciado por sua inspiradora na região de São Miguel Paulista, na zona leste da cidade de São Paulo"; fundou um centro de pesquisa em Educação e cultura; administra, junto com o marido, um hotel-fazenda.

Por pertencer a uma classe, alguém está impedido de seguir a sua consciência individual? Tudo que fizer, em cada momento da vida, será para defender os interesses de sua classe?

Que concepção mecanicista, tacanha, das motivações humanas! E, no caso dos blogueiros petistas, que maneira manipuladora, repulsiva, de se comunicarem com os seguidores, induzindo-os a equívocos, incutindo-lhes ódio e exacerbando preconceitos!

É hora de voltarem a Rosa Luxemburgo ("A verdade é revolucionária"). E de deixarem Maquiavel e Goebbels para os antípodas ideológicos como o RA, pois ambos de nada servem como guias para a esquerda: existimos para despertar as consciências, não para embotá-las, reduzindo-as ao primarismo, ao fanatismo e à unidimensionalidade.

POSTS RECENTES DO BLOGUE NÁUFRAGO DA UTOPIA (clique p/ abrir):
MORTE DE CAMPOS MUDA QUADRO SUCESSÓRIO: AGORA MARINA É FAVORITA E DILMA PODE NÃO CHEGAR AO 2º TURNO.
LUCIANA GENRO PÕE O DEDO NA FERIDA: BRASIL TEM A OBRIGAÇÃO MORAL DE ASILAR SNOWDEN!

15.8.14

JÁ COMEÇOU A CAMPANHA DE DESQUALIFICAÇÃO DA MARINA

Emir Sader é um sociólogo petista que se apresenta também como cientista político. Fez, claro, um doutorado que lhe dá o direito de portar título tão pomposo, mas eu acho graça em atribuir-se cientificidade à política. 

Para entendermos os lances atuais da nossa política e dos nossos políticos profissionais, melhor instrumental nos dão Freud e Agatha Christie. Para explicar-nos os episódios do passado, bastam os historiadores. E, sem possuir estatísticas a respeito (alguém as tem?), suspeito que a taxa de acerto dos prognósticos de cientistas políticos seja inferior à de cartomantes, tarólogos e jogadores de búzios. 

O certo é que não vi ciência nenhuma na análise de Sader a respeito da candidatura de Marina Silva à Presidência da República, apenas wishful thinking de quem a teme e, desde já, a combate. Começando pelo título: A direita quer que Marina seja sua tábua de salvação (acesse o artigo clicando aqui).

Ou seja, é preciso martelar na cabeça do eleitorado de esquerda uma inexistente associação entre Marina e a direita, para favorecer a candidata que, como presidenta da República, jamais peitou pra valer o grande capital, o agronegócio, os bancos, os picaretas que exploram a fé e os militares que debocham da Comissão da Verdade, entre outros. E que nem sequer teve a coragem de dar asilo a Edward Snowden, mostrando ser uma criatura bem pior do que o criador, pois Lula não virou as costas a Cesare Battisti.

Para preservar sua respeitabilidade acadêmica, lá pelas tantas Sader coloca esta ressalva, seguida de mais veneno:
"Plenamente dispostos (?) a enterrar definitivamente ao (?) debilitado Aecio, a(?) vozes  da direita se excitam, entre frenesi e angustia de perder essa oportunidade. Não importa se Marina não é uma pessoa confiável. Que pode assustar os empresários do agronegócio. Que tenha suas manias ecológicas. O que importa é tirar o PT do governo. Depois a gente vê. Se ela  chegar a ganhar, vai precisar do apoio parlamentar e dos governadores tucanos, vai precisar da mídia. Se dá uns apertões e ela vai ceder, até porque não tem apoio próprio".
Erros de concordância e de regência à parte, o certo é que Marina bate de frente, sim, com o capitalismo. E exatamente no que ele tem de mais terrível e ameaçador nos dias atuais: o fato de estar simplesmente encaminhando a espécie humana para a extinção. 

Marina merece ser tratada com respeito, sem jogo sujo.
Se danosa ao extremo é a exploração do homem pelo homem e se deveríamos chorar lágrimas de sangue por continuar havendo tanta miséria e sofrimento inútil quando já estão dadas as condições para todos os seres humanos disporem do necessário para uma sobrevivência digna, é no front ecológico que se trava a batalha primordial do momento. Ou desarmamos a armadilha em tempo, ou poderá não existir século 22. 

Precisamos mudar radicalmente a sociedade em que vivemos, mas a prioridade primeira é assegurarmos que vá haver um amanhã, caso contrário todo o resto será inútil. Simples assim. E Marina, com "suas manias ecológicas", está bem no centro desta discussão, a mais importante para a humanidade quando já se vislumbra o Leviatã no horizonte.

Quanto à base parlamentar para garantir a tal da governabilidade, é engraçado o Sader tocar neste assunto, se lembrarmos que foi ela o motivo de o PT haver traído tantos princípios, incorrido em práticas tão condenáveis e colado sua imagem à de figuras execráveis como Paulo Maluf, José Sarney, Fernando Collor, Renan Calheiros, Jader Barbalho, ACM e que tais.

Marina é uma incógnita e Dilma, a certeza de que tudo permanecerá como dantes no quartel de Abrantes. Terá a acriana disposição e garra para, eleita, lutar verdadeiramente contra a podridão política, ao invés de a ela se adequar, ainda que a contragosto e cedendo a chantagens, como o PT tem feito desde 2002? Honestamente, não dá para sabermos agora.

Futrica de Sader: candidatura de Marina conviria à direita.
Assim como Sader não tem como saber se bastam "uns apertões e ela vai ceder, até porque não tem apoio próprio" -a opinião que ele atribui aos direitistas mas, no fundo, no fundo, quer mesmo é plantar na cabeça dos seus leitores. Os incautos podem passar batidos por tais sutilezas, mas não um jornalista veterano como eu.

Enfim, sugerir que adversários pertencentes ao campo da esquerda estariam sendo circunstancialmente úteis para a direita, sem exibir evidência nenhuma de anuência da parte deles, é apenas futrica -cujo arsenal, segundo Sader, já estava quase esgotado do lado da direita, mas parece ser inesgotável nos arraiais de certa esquerda que nada aprendeu nem esqueceu desde o stalinismo.

Por último, como sou um mero comunicador e não almejo à respeitabilidade acadêmica, vou fazer um paralelo futebolístico. Depois de o grande goleiro do tricolor paulista, falhando três vezes, propiciar nova desclassificação de sua equipe, o comentarista Juca Kfouri aconselhou-lhe a aposentadoria: "Rogério Ceni precisa escolher se gosta mais do São Paulo ou de si mesmo".

O PT também precisa decidir se gosta tanto de si mesmo a ponto de colocar em risco a permanência da esquerda no Palácio do Planalto. Pois só não vê quem não quer que, num 2º turno entre Dilma e Aécio Neves, o PSDB terá suas chances muito aumentadas em função do desgaste acumulado pelo situacionismo em três governos sucessivos, do desempenho pífio da economia brasileira e do desencanto que todos percebemos existir e já pipoca nas ruas faz mais de um ano.

Enquanto isto, a carismática Marina, personificando a mudança e trazendo esperança, tiraria a escada de Aécio (o antipetismo), deixando-o pendurado na brocha.

É algo em que os petistas deveriam pensar, antes de utilizarem contra uma adversária métodos que pegam mal até mesmo quando usados contra os inimigos.

POSTS RECENTES DO BLOGUE NÁUFRAGO DA UTOPIA (clique p/ abrir):

13.8.14

MORTE DE CAMPOS MUDA QUADRO SUCESSÓRIO: AGORA MARINA É FAVORITA E DILMA PODE NÃO CHEGAR AO 2º TURNO.

Destino insólito: Campos e Arraes mortos num 13 de agosto.
Quando a campanha presidencial de 2014 se augurava a mais tediosa e enlameada desde a redemocratização, eis que o Sobrenatural de Almeida, reconhecendo que é impossível desviar o futebol brasileiro de sua marcha para o fundo do poço, resolveu trocar o foco, dando o ar de sua graça na política: com a morte inesperada de Eduardo Campos (PSB), logo no cabalístico 13 de agosto (!), a corrida sucessória virou de pernas pro ar.

De imediato, Marina Silva (PSB) passou a ser a favorita para vencer a disputa que, provavelmente, travará com Aécio Neves (PSDB) no 2º turno. E a candidatura de Dilma Rousseff (PT), que já vinha  mal das pernas em função (principalmente) do desempenho pífio da economia brasileira, pode ter recebido nesta 4ª feira o golpe de misericórdia.

Até agora, os que estavam no páreo pra valer eram a ex-guerrilheira que se tornou tecnoburocrata, o neto do raposão conservador e o neto do grande socialista. Dilma levava a vantagem de ser personagem histórica por mérito próprio e, entre três atores políticos com ínfimo carisma, tendia a ser reeleita porque o poder atrai o poder, na razão direta das ambições e na razão inversa da integridade.

Marina Silva: as tragédias moram ao lado...
A candidatura de Marina era, potencialmente, a mais perigosa para o situacionismo, tanto que um grande esforço de bastidores foi feito para que ela saísse da disputa. Para o bem da democracia, outra porta se abriu. Pena que isto se deva a uma tragédia, algo que sempre temos de lamentar. Mas, confirmou-se de novo que quem age de má fé acaba dando tiros pela culatra. Ao invés de ser neutralizada, Marina está mais forte do que nunca.

Com ela no lugar de Campos, Dilma não levará vantagem nenhuma em ser mulher, vai perder de goleada na comparação de quem tem mais a cara e o jeitão do povo sofrido (e, portanto, maior afinidade com o perfil dos primórdios petistas - a trajetória dela lembra a do Lula) e tende a ser esmagada nos debates, pois a decoreba dos marqueteiros de nada servirá contra a autenticidade e espontaneidade messiânicas da companheira de lutas do Chico Mendes. 

No tabuleiro político, a quase nenhuma ênfase de Campos no ideário socialista do avô, preferindo defender um capitalismo mitigado, o deixava bem mais próximo de Aécio que de Dilma. Como consequência, os dois netinhos correriam na mesma faixa, tentando, ao mesmo tempo, evitar que a petista ganhasse no 1º turno e obter uma vaga no 2º, contra Dilma, que se apresentaria como a candidata popular, perseguida pelos ricos e pelo Santander, etc. e tal.

Marina, pelo contrário, não disputará espaço com Aécio, que ficará com todo o eleitorado conservador e direitista para si, mas sim com Dilma: o mapa da mina, para ela, será provar que é mais popular, mais antagônica ao grande capital, melhor defensora do meio ambiente, mais inaceitável para a elite branca e mais fiel aos ideais históricos petistas do que a própria Dilma. Acredito que o conseguirá com um pé nas costas, daí a minha previsão de um 2º turno entre (centro) direita e (centro) esquerda, ou seja, entre Aécio e Marina.
Morte de Campos caiu como um raio sobre ambos

E, claro, sem todo o desgaste acumulado pelo petismo em seus três mandatos presidenciais, e levando em conta que o eleitorado de direita é aproximadamente metade do de esquerda, Marina só não levaria se o avião dela também caísse.

O perigo, claro, seria chegar ao poder como uma estatura bem maior do que as forças políticas que a estariam apoiando, com óbvios riscos de turbulência institucional (dependendo de como lidasse com um Congresso mui provavelmente adverso). Duas vezes, com Jânio Quadros e com Fernando Collor,tal quadro se revelou funesto.

Mas, temos de levar em conta também que o esgotamento do modelo petista está levando a insatisfação popular perigosamente para as ruas, de forma que os riscos existem igualmente com a permanência da atual pasmaceira desesperançada. Entre um salto no escuro e a decadência inexorável, é sempre preferível o primeiro, que pelo menos nos dá oportunidade de lutarmos para a construção de um presente melhor. 

O eleitorado, evidentemente, não equaciona o problema da mesma maneira, mas se mostra visivelmente saturado. Os ventos de mudança começam a soprar e até Deus os parece estar bafejando...

POSTS RECENTES DO BLOGUE NÁUFRAGO DA UTOPIA (clique p/ abrir):
O CAPTAIN, MY CAPTAIN, POR QUE MORRESTE TÃO CEDO?
O TÉCNICO QUE MAIS AVACALHOU NOSSA SELEÇÃO EM TODOS OS TEMPOS AINDA SE ACHA NO DIREITO DE PROCESSAR ALGUÉM!
CHEGA DE ACENDER VELAS AO DIABO DURANTE A CAÇA AOS VOTOS!!!
O SHERLOCK HOLMES CAPUCHINHO FICOU BEM MELHOR NAS TELAS
REYNALDO, MEU PAI.
Related Posts with Thumbnails

Arquivo do blog

NUVEM DE TAGS

: apedrejamento ...memória não morrerá 1968 1ª Guerra Mundial 1º de maio 3º mandato 7 de setembro A Barca do Sol A Marselhesa Abap Abílio Diniz aborto Abradic Abraham Lincoln aburguesamento abuso de poder ACM Adail Ivan de Lemos Adhemar de Barros Adolf Hitler Adriana Tanese Nogueira Adriano Diogo Aécio Neves África do Sul agiotagem AGU Ahmadinejad AI-5 aiatolá Khomeini ajuste recessivo Aladino Felix Alain Tanner Albert Einstein Albert Speer Alberto Dines Alberto Goldman Alberto Piovesan Alberto Torregiani Alberto Youssef Alckmin Aldo Rebelo alerta Alexandre Padilha Alexandre Vannuchi Leme Alfredo Stroessner Ali Kamel Alice Cooper ALN Aloysio Nunes alterações climáticas Alvarenga e Ranchinho Alvaro Uribe Ana Luíza Anai Caproni anarquismo André Esteves André Mauro Andre Ristum André Singer Andy Warhol Angela Merkel Angelo Longaretti Angra anistia Anistia Internacional Anita Garibaldi Anita Leocadia ano novo anos de chumbo Antônio Conselheiro Antonio Nogueira da Silva Filho Antonio Palocci Antonio Patriota Antonio Prestes de Paula Antônio Roberto Espinosa Ao Pé do Muro Aparicio Torelly Aparício Torelly apartheid apedrejamento Apollo Natali Apolônio de Carvalho aquecimento global Araguaia arapongas arbítrio Arena Armando Monteiro arrocho fiscal Arthur José Poerner Ary Toledo asilo político Assange atentado do Riocentro atentado do WTC Átila Augusto Boal Augusto Pinochet Auriluz Pires Siqueira autoritarismo Ayres Britto Ayrton Senna Baia dos Porcos Baía dos Porcos bairro da Mooca bairro do Bixiga Banco Santos bancos Barack Obama Bartolomeo Vanzetti Bashar al-Assad basquete Batalha de Itararé Battisti Baú do Celsão BBB beagles Benito Di Paula Benito Mussolini Bento XVI Bertold Brecht Bertold Brecht Bíblia bicicletas Biggs Bill Clinton Billy Wilder biografias não autorizadas black blocs blogue de resistência blogues BNDES Bob Dylan Bobby Sands bolchevismo Bolívia bolsa-agronegócio bolsa-banqueiro bolsa-empresário bombeiros Boris Casoy boxe Bradesco Bradley Manning Brasil: Nunca Mais Brigadas Vermelhas Brilhante Ustra Bruce Lee Bund Cabo Anselmo cabo Povorelli caça às bruxas Caco Barcellos Caetano Veloso Caio Túlio Costa Câmara Federal Camboja Campo Salles Cansei Canudos Capinam capitalismo Capitão Guimarães Caravaggio Carla Jiménez Carlinhos Cachoeira Carlos Brickmann Carlos Drummond de Andrade Carlos Franklin Paixão de Araújo Carlos Gardel Carlos Giannazi Carlos Heitor Cony Carlos Lacerda Carlos Lamarca Carlos Lungarzo Carlos Marighella Carmen Lúcia carnaval Carrefour Carta Capital CartaCapital Carvalho Pinto Casa da Morte de Petrópolis Casal Nardoni casamento civil igualitário Caso Dreyfus Caso Isabella Caso Santo André cassação Cássio Castello Branco Castro Alves CBF CCC CDDPH CDHM celibato Celso Amorim Celso Bandeira de Mello Celso Daniel Celso Luiz Pinho Celso Lungaretti Celso Russomanno censura Cesar Benjamin César Roldão Vieira Cesare Battisti cesárea Cezar Peluso CGU Chael Charles Schreier Charles De Gaulle Charles Dickens Charles Elbrick Charles Gordon Charles Manson Charlie Hebdo Che Guervara Che Guevara Chernobil Chico Buarque Chico de Assis Chico Mendes Chico Whitaker Chile China CIA Cícero Araújo cinema cinemas de bairro Cisjordânia Claudio Abramo Cláudio Antônio Guerra Cláudio Humberto Cláudio Marques cláusula de barreira Clécio Luís Clint Eastwood Clive Barker Clóvis Rossi Clube Militar CNJ colégios militares Colina Colômbia Comissão da Verdade Comissão de Anistia Comissão de Direitos Humanos Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos Comuna de Paris comunismo Conare Congresso Nacional contestação Copa das Confederações Copa do Mundo Coréia do Norte Corinthians Coronel Telhada corrupção Corte Interamericana de Direitos Humanos cotas raciais CPEM CPI CPMF cracolândia crime contra a humanidade Criméia Almeida crise dos mísseis cubanos Cristiano Machado Cristina Kirchner Crivella Cuba Cunha Lima curandeirismo Curió CUT D. Flávio Cappio D. Helder Câmara D. Paulo Evaristo Arns D. Pedro I D.Flavio Cappio Dª Solange Dalmo Dallari Dalmo de Abreu Dallari Dalton Rosado Daniel Dantas Dante de Oliveira Darcy Rodrigues David Goodis delação premiada Delcídio do Amaral Delfim Netto Delúbio Soares DEM Demétrio Magnoli democracia democracia burguesa deportação Desafia o Nosso Peito desemprego desigualdade econômica desigualdade social Desmond Tutu Devanir de Carvalho Dia das Mães Dia dos Pais Dia Mundial do Rock Dias Toffoli Dilma Dilma Rousseff Diógenes Carvalho Diogo Mainardi Diogo Salles Direito à Memória e à Verdade direito ao trabalho direitos humanos direitos previdenciários direitos trabalhistas diretas-já dissidentes cubanos ditabranda ditadura ditadura argentina Django DOI-Codi Dolores Ibarruri dominicanos dona Solange Donald Trump Dulce Maia Dunga Edemar Cid Ferreira Eder Jofre Edgar Allan Poe Edifício Joelma Edir Macedo Ednardo D'Ávila Melo Edson Fachin Edu Lobo Eduard Bernstein Eduardo Campos Eduardo Cunha Eduardo Gomes Eduardo Leite Eduardo Sabóia Eduardo Suplicy educação religiosa Edward Bernstein Edward Snowden El País eleições eleições 2010 Eleições 2012 eleições 2014 eleições 2016 Eleonora Menicucci de Oliveira Eliane Cantanhêde Eliane Cantenhêde Elio Gaspari Elis Regina Eliseu de Castro Leão embargo econômico emenda fiscal Emerson Emerson Fittipaldi Emílio Médici Emir Sader Enéas Carneiro ensino entulho autoritário Enzo Peri episódio algoz e vítima Epoca Época Equador Erasmo Carlos Eremias Delizoicov Eric Hobsbawm Ernesto Geisel Ernst Jünger Escola Base escracho escravidão Espanha espionagem espontaneísmo esporte estado Estado Islâmico Estado Novo Estatuto do Idoso estelionato ETA etanol Ethel Rosenberg EUA Eurico Gaspar Dutra eutanásia Evo Morales ex-presos políticos execuções exército extradição Fabiana Leibl Fábio Konder Comparato Fábio Konder Comparato Fabrício Chaves Facebook Falha de S. Paulo fanatismo fanatismo religioso Farc fascismo fator previdenciário Fausto De Sanctis Fausto Silva favelas FBI Federico Fellini Feira do Livro de Frankfurt Felipão Fernando Claro Fernando Collor Fernando Gabeira Fernando Haddad Fernando Henrique Cardoso Fernando Lugo Ferreira Gullar festivais de MPB FHC FIC Fidel Castro Fiesp Filinto Muller Fino da Bossa Florestan Fernandes flotilha FMI Folha de S. Paulo Força Pública Foro de São Paulo Francis Ford Coppola Francis Fukuyama Francisco 1º Francisco Foot Hardman Francisco Franco Franco Nero François Mitterrand Franz Kafka Fred Vargas Fred Zinneman Friedrich Engeles Friedrich Engels Friedrich Nietzche Fukushima Fukuyama futebol Gabeira gabinete de crise Gabriel Chalita Gal Costa Garrincha Gastone Righi gay gays Gaza General Maynard Gengis Khan genocídio George Harrison George Hilton George Orwell George W. Bush Geraldo Alckmin Geraldo Vandré Gerlaod Alckmin Gerson Theodoro de Oliveira Getúlio Vargas Gianfrancesco Guarnieri Giannazi Gilberto Carvalho Gilberto Dimenstein Gilberto Freyre Gilberto Gil Gilberto Kassab Gilmar Mendes Gilmar Rinaldi Gilson Dipp Giocondo Dias Giordano Bruno Giuseppe Lampedusa Glauber Rocha globalização Glória Kreinz Goethe Golbery do Couto Silva Goldman Goldstone goleiro Bruno golpe de 1964 golpe de 1964 x 50 anos golpismo governo de união nacional Grace Mendonça Grécia Gregório Bezerra Gregório Duvivier Gregório Fortunato greve de fome greve geral de 1917 Grigori Zinoviev Guantánamo Guarda Civil guerra civil guerra da lagosta Guerra do Vietnã Guerreiro da Utopia guerrilha guerrilha do Araguaia guerrilha do Vale do Ribeira guerrilha urbana Guilherme Boulos Guilherme Fariñas hackers Harry Shibata Heleny Guariba Hélio Bicudo Helleny Guariba Henfil Henning Boilesen Henrique Lott Henrique Meirelles Henrique Pizzolatto Henry Sobel Heraldo Pereira Herbert Marcuse Hino da Independência Hino Nacional Hiroshima História homem novo homofobia Honduras Hugo Chávez Iara Iavelberg Igor Tamasauskas Igreja Católica Igreja Renascer Igreja Universal imigração italiana imigrantes impeachment Império Romano imprensa Inconfidência Inconfidência Mineira indenizações Índia indignados Indio da Costa Índio da Costa indústria cultural Inês Etienne Romeu inflação Inquisição Instituto Royal insubmissão militar Intentona Comunista Internacional Comunista Internacional Socialista internacionalismo revolucionário intolerância Irã Israel IstoÉ Itália Itamar Franco Itamaraty Itaú Ivan Seixas Ivan Valente Ives Gandra Martins Ivo Herzog Jacob Gorender jacobinismo Jader Barbalho Jaguar Jair Bolsonaro Jair Rodrigues James Wright Jânio de Freitas Jânio Quadros Janis Joplin Jaques Wagner Jarbas Passarinho Jari José Evangelista Jean Wyllys Jean-Jacques Rousseau Jean-Luc Godard Jean-Paul Sartre Jean-Pierre Melville jesuítas Jesus Cristo Jethro Tull Jimi Hendrix Jimmy Carter Joan Baez João Amazonas João Baptista Figueiredo João Cabral do Melo Neto João Dória Jr. João Goulart João Grandino Rodas João Paulo Cunha João Pereira Coutinho João Santana Joaquim Barbosa Joaquim Câmara Ferreira Joaquim Cerveira Joaquim Levy Joaquin Pérez Becerra Jobim Joe Cocker Joe Hill Joe Louis Joesley Batista John Kennedy John Lennon Joice Lima Jorge Kajuru jornada de trabalho jornalismo José Campos Barreto José Eduardo Cardozo José Genoíno Jose Giovanni José Lavecchia José Maria Marin José Martí José Mujica José Padilha José Raimundo da Costa José Roberto Arruda José Sarney José Serra José Tóffoli José Vicente Contatore José Wellington Diógenes Joseba Gotzon Joseíta Ustra Joseph Goebbels Joseph Stalin Juarez Guimarães de Brito Juca Chaves Juca Kfouri Judas Iscariotes juiz Sérgio Moro julgamento de Nuremberg Julian Assange Julius Martov Julius Rosenberg Juscelino Kubitschek Karl Leibknecht Karl Marx Kátia Abreu Kevin kibbutz kibutz Kim Jong-il Kim Kataguiri Kirk Douglas Ladislau Dowbor Laerte Braga Lamarca lavagem cerebral lavoura cafeeira Lawrence da Arábia LDO Leandro Fortes Lecy Brandão Lei Antiterrorismo Lei da Anistia Lei da Ficha Limpa Lei Falcão Lênin Leon Trotsky Leonel Brizola Leonel Mello Leônidas de Esparta Leopoldo Paulino LER-QI Lev Kamenev Levy Fidélis LGBT liberdade de expressão Líbia Lilian Celiberti lio Gaspari Livro dos Heróis da Pátria Lourenço Diaféria LSN Luc Ferry Luciana Genro Luís Alberto de Abreu Luís Carlos Trabuco Luís Nassif Luís Roberto Barroso Luiz Aparecido Luiz Carlos Prestes Luiz Eduardo Greenhalgh Luiz Eduardo Merlino Luiz Eduardo Soares Luiz Fux Luiz Maklouf Luiz Ruffato Luiz Vieira Luíza Erundina Lula luta armada luta de classes Lyndon Johnson macartismo maconha Mafia Máfia máfia dos ingressos Magalhães Pinto Mahatma Gandhi Mahmoud Ahmadinejad Mais Médicos Major Cerveira Major Curió Manoel Henrique Ferreira Manuel Fiel Filho Manuel Zelaya Mao Tsé-Tung Mappin Maquiavel mar de lama maracutaia Marcello Mastroianni Marcelo Crivella Marcelo Freixo Marcelo Paiva Marcelo Roque Marcha da Família Marcha da Maconha Márcio Leite de Toledo Márcio Moreira Alves Márcio Thomaz Bastos Marco Antonio Villa Marco Antonio Zago Marco Aurélio Garcia Marco Aurélio Mello Marco Feliciano Marco Polo Del Nero Marcos Nunes Filho Marcos Valério Marcos Wilson Lemos Marcus André Melo Margaret Thatcher Margareth Thatcher Maria Alice Setubal Maria Bethânia Maria do Carmo Brito Maria do Rosário Maria Esther Bueno Maria Vitória Benevides Marighella Marina Marina Silva Marinha Mário Alves Mário Faustino Mario Monicelli Mário Sérgio Conti Mario Vargas Llosa Marta Suplicy Martin Luther King Martin Scorcese marxismo Mary Shelley massacre de My Lay Massacre do Carandiru Massafumi Yoshinaga Maurício Costa Mauricio Hernandez Norambuena Mauro Santayana Max Horkheimer MDB médicos cubanos Megaupload Memorial da Resistência Memórias de uma guerra suja mensalão mercantilização Michael Burawoy Michel Temer Michelangelo Buonarroti Michelle Bachelet Miguel Arraes Mikhail Bakunin Milton Friedman Milton Nascimento Ministério dos Esportes Mino Carta mísseis cubanos Molina Dias Mônica Bergamo monopolização Monteiro Lobato Morro da Providência Mortos e Desaparecidos Políticos movimento estudantil movimento negro Movimento Passe Livre MPB MR-8 MR8 MTST Muammar Gaddafi Muhammad Ali Mundial de 2014 muro de Berlim muro de Berlin Nagasaki Nara Leão Nasser Natal Natan Donadon Náufrago da Utopia nazismo Neil Young Nelson Jobim Nelson Mandela Nelson Piquet neo-pentecostais neofascismo neoliberalismo Nestor Cerveró Nestor Kirchner Neusah Cerveira Newton Cruz Nicola Sacco Nicolau Maquiavel Nikita Kruschev Nikolai Bukharin No Nukes Norberto Bobbio Norman Mailer Norman O. Brown Noruega Nova York O Estado de S. Paulo O Globo O Gobo O Pasquim OAB Oban Occupy ocupação da reitoria Odebrecht Odilon Guedes odotonlogia OEA Olavo de Carvalho Olavo Hanssen Olavo Setubal Olga Benário Olimpíadas Olímpio Mourão Filho Olívia Byington ombudsman ONU Operação Condor Operação Hashtag Operação Lava-Jato Operação Satiagraha Opportunity Opus Dei Orestes Quercia Orlando Lovecchio Filho Orlando Yorio Orlando Zapata Os Miseráveis Osama Bin Laden Oscar Schmidt Osmir Nunes ossadas de Perus Osvaldo Peralva Otávio Frias Filho Pablo Escobar Pacto Hitler-Stalin país basco palestinos Palmares Pan Pão de Açúcar papa Francisco Paquistão Paraguai Parlamento Europeu parto humanizado parto normal Passe Livre passeata dos 100 mil pastor Feliciano Paul Simon Paul Singer Paulinho da Força Paulo Cesar Pinheiro Paulo César Saraceni Paulo de Tarso Venceslau Paulo Francis Paulo Freire Paulo Henrique Amorim Paulo Lacerda Paulo Malhães Paulo Maluf Paulo Roberto Costa Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Skaf Paulo Teixeira Paulo Vannuchi Paulo Vanzolini PC Farias PCB PCBR PCI PCO PDS PDT pedaladas fiscais pedofilia Pedro Pomar Pelé perseguidos políticos Pérsio Arida pesquisas de opinião Pete Townshend Petrobrás petrolão petróleo PF PFL Pierre-Joseph Proudhon Pietro Mutti Pimenta Neves Pinheirinho Pink Floyd Pio XII Plínio de Arruda Sampaio Plínio Marcos PM PMDB PNDH-3 Poder Negro Pol Pol Pot Polícia Federal politicamente correto Pôncio Pilatos Porfirio Lobo Portal da Transparência Pot pré-sal preconceito pregações golpistas Primavera de Paris Primavera de Praga privataria privatizações procurações forjadas profissão de fé Pronatec propaganda enganosa propinoduto Protógenes Queiroz Providência PSB PSDB PSOL PSTU PT PUC pugilistas cubanos PV quatro de Salvador queda da Bastilha Queen Quentin Tarantino queremismo quilombolas racionamento de água racismo Rafael Braga Vieira Rafael Correa Randolfe Rodrigues Raul Amaro Nin Ferreira Raul Castro Raul Salles Raul Seixas Raymundo Araujo RDD Receita Federal recessão Rede Globo redemocratização reformismo refugio refúgio refundação da esquerda Reinaldo Azevedo Reino Unido Renan Calheiros renúncia repressão República de Weimar resistência retroativo retrospectiva reverendo Moon revista Piauí revolta árabe revolução revolução cubana Revolução Francesa revolução internacional Revolução Soviética Reynaldo Lungaretti Richard Nixon Rio de Janeiro Rio São Francisco Rio-2016 Robert Louis Stevenson Roberto Carlos Roberto Gurgel Roberto Macarini Roberto Micheletti Roberto Romano Roberto Setúbal Roberto Teixeira rock Rodrigo Janot Rodrigo Maia Roger Federer Roger Pinto Roger Waters rolezinhos Roman Polanski Romário Romeu Tuma Ronald Reagan Ronaldo Fenômeno Rosa Luxemburgo Rota Rubens Lemos Rubens Paiva Rui Falcão Rui Martins Sacco e Vanzetti Saddam Hussein Sakineh salário-mínimo Salvador Allende Samuel Wainer Santiago Andrade Santo Dias São Francisco Sean Goldman sectarismo Seleção Brasileira Sérgio Cabral Sergio Corbucci Sergio Fleury Sérgio Fleury Sergio Leone Sergio Porto Sérgio Porto Sérgio Ricardo Serra Sharon Tate Sigmund Freud Silvio Berlusconi Sílvio Frota Sílvio Tendler símbolos religiosos Simon Bolivar sinalizador Síndrome da China Sintusp Síria sites fascistas SNI socialismo socialismo num só país sociedade alternativa Sócrates Sofia Loren Soledad Viedma solidariedade Sônia Amorim Soninha Francine Spartacus Stalin stalinismo Stephen King STF STF. Aparício Torelly STJ STM Stroessner Stuart Angel sucessão Suely Vilela Sampaio Suzana Singer T. E. Lawrence Tancredo Neves Tarso Genro TCU. reparações teatro Teatro de Arena Tempo de Resistencia Tempo de Resistência tenentismo togado tênis Teologia da Libertação Teori Zavascki terceirização Teresa Lajolo Tereza Cruvinel Ternuma terrorismo terrorismo islâmico TFP The Animals The Who Theodor Adorno Thomas Morus Thomas Piketty Three Mile Island Tim Jackson Tim Maia Tiradentes Tite Tom Zé Tomasso Buscetta Torquato Neto Torquemada Tortura Tortura Nunca Mais torturadores torturas Tostão trabalho escravo trabalho forçado traficantes tragédias transposição Tribunal de Haia Tropa de Elite tropicalismo TSE TSE. TCU underground UNE Unesco Universidade da Califórnia Universindo Dias UOL URSS usineiros USP Vannuchi VAR-Palmares Vaticano Veja vemprarua Venezuela Victor Hugo Victor Jara vida artificial Vinícius de Moraes Vinícius Torres Freire violência violência policial Virgílio Gomes da Silva Vitor Nuzzi Vladimir Arras Vladimir Herzog Vladimir Lênin Vladimir Safatle VPR Walt Disney Walter Maierovitch Walter Silva Washington Olivetto Wellington Menezes western Wikileaks William Shakespeare Willy Brandt Winston Churchill Woodstock Yeda Crusius Yoani Sánchez Zé Celso Zé Dirceu Ziraldo Zumbi Zuzu Angel